terça-feira, 15 de março de 2016

ALENTEJO: HISTÓRIAS

Será que estou em África???
8 flamingos mesmo à minha frente??? YUPI!!!! O que quero mais?

Realmente não é necessário ir a África!
Basta vir ao Melhor Alentejo do Mundo :)

Mas estou mesmo aos pulinhos de contentamento :) ir dar uma volta de kayak e ver 8 flamingos à frente, sendo um deles de cor rosa choc ... é inédito!

Há anos que venho a esta barragem,
já vi cegonhas,
garças: branca e real,
patos: preto e real,
e outras aves que não sei identificar.

Mas flamingos...não posso acreditar... vi mesmo!! :)
E eram oito!!
Que boa surpresa que tive hoje! Obrigada.
E esta foi a primeira história.





Mas começando pela viagem rumo ao Alentejo, mal termino de passar a ponte Vasco da Gama já avisto uma cegonha nos céus.
Cegonha??
Será que já estou no Alentenjo?
Mas ainda faltam uns bons kilometros de A1 e estradinhas com muitas retas e poucas curvas.
O sol? Esse sim, acompanhou-me a viagem toda.
Bonito dia!

Finalmente chego ao meu Alentejo!
Finalmente tenho um horizonte longínquo,
silêncio das aves,
e tempo, muito tempo...

Momentos de leitura com uma vista incrível de patos na água e coelhos a correr de arbusto em arbusto. Ainda tentámos dar-lhes umas rodelas de cenoura, mas parece que estes não estão habituados a tão saboroso manjar.

E lá fomos dar uma volta de kayak. Sem imaginar a surpresa que íamos ter...

E lá ao fundo começámos a ver algo estranho, parecia uma pequena embarcação. Nunca pensámos que fosse um grupo de flamingos.

E tanto nos aproximámos que eles acabaram por levantar vôo. Era mesmo isso que eu queria, fotografá-los em vôo e ver as suas belas cores.
Eles é que não estavam a perceber bem ;) e permitiram uma boa aproximação.

Mas a seguir vem a segunda história do dia:
Duas aves de rapina começaram a descrever vôos circulares cada vez mais baixo em torno de nós.
Será que somos presas?? :)
Mas quanto mais baixo voavam mais o meu pequenote se apercebeu de que se tratavam de dois falcões.

Regressámos e ainda fomos ver o pôr-do-sol, e com direito a lua.





À noite substituimos o Wifi por uma brincadeira com animais.
Pois, porque aqui neste Alentejo para apanhar rede no telemóvel é preciso subir a um banco :)

Silêncio absoluto!
Silêncio quebrado pela barulheira dos milhares de aves que vêm dormir em cima das águas da barragem.
Silêncio quebrado pelo chilrear das pegas, poupas, cucos, rolas, e outros mais comuns, que nos acordam pela manhã.
Espaço tranquilo e sereno, quebrado pelo correr assustado das dezenas de coelhos que se escondem nas tocas atrás dos arbustos.
Tempo quebrado pelo sol que se põe, a lua que se avista e as constelações que se admiram nos  céus.


No dia seguinte teve lugar a terceira história do fim de semana.
Depois de um belo chá, fomos caminhar.




 E ao sair do mato, do outro lado da barragem vimos ao longe três coelhos a correr para a toca.
Passado cerca de um minuto lá vinha calmamente a senhora rapousa.
Que bela rapousa!
Rapousa é um bonito animal, sim senhora.
Mas ver uma rapousa no seu habitat natural não é muito comum e foi para nós, citadinos, um belo espetáculo.

Obrigada a este "Alentejo", que nos proporcionou tamanhas surpresas.