domingo, 10 de julho de 2016

SIMPLESMENTE SIMPLES

O acordar sem despertador,
o pequeno almoço com calma,
a luz da vela,
o relógio que parou no Tempo,
o silêncio do lar,
o conforto e o íntimo.

O faço por mim,
ao meu gosto e à minha responsabilidade.
O meu escadote improvisado,
simples e funcional,
perfeito no Espaço ... uso e desaperece.
A intimidade de um chá
bebido à lareira ...
lareira imaginada,
num momento calmo,
festejando o entardecer.
O silêncio e o fresco da brisa que nasceu.
Tudo tão simples,
tudo tão calmo.