terça-feira, 23 de agosto de 2016

SEM ABRIGO

Uma pessoa, duas pessoas.
Muita gente passava na rua.
Muitos apressados,
outros menos.
Muitos com sorriso de férias,
outros normais, pensativos, metidos nas suas vidas.

Um homem sentado no chão, magro e de corpo enrolado,
esticava a mão a mendigar.
À primeira vista um homem de barba grande, cabelo grande e roupa escura ... nada mais.

Quem o vê? tão pequeno, tão sujo, tão enrolado, tão pequeno.

Duas pessoas: um adulto e uma criança.
O adulto passou como os demais ... mais um mendigo ... todos os dias há mendigos.
A criança passou e com olhar de criança chamou-lhe senhor.
- Tens uma moeda para aquele senhor? Parece tão triste ...

Voltámos atrás e vimos naquele homem o sorriso mais lindo dos últimos meses ... como ele estava atento ... como ele percebeu o sentir daquela criança ...
a moeda era pequena, mas ele percebeu o gesto e agradeceu com aquilo que tinha para oferecer:

   um lindo sorriso, que o transformou ... 
   e podemos ver naquele ser enrolado um rosto bonito.


Aquele senhor afinal tem um rosto bonito.